sábado, 15 de janeiro de 2011 às 15:26 |


"NINGUÉM COMETEU MAIOR ERRO DO QUE AQUELE QUE NÃO FEZ NADA SÓ PORQUE PODIA FAZER MUITO POUCO"


A CIGARRA E A FORMIGA II

Uma releitura da fábula de La Fontaine.

Era uma vez uma formiga e uma cigarra, muito amigas.

Durante todo o outono a formiguinha trabalhou sem parar de armazenar comida para o período de inverno, não aproveitou nada do sol, da brisa suave do fim da tarde e nem do bate papo com os amigos ao final do expediente de trabalho, tomando uma cerveja. Seu nome e sobrenome era trabalho, sempre.

Enquanto isso, a cigarra só queria saber de cantar nas rodas de amigos nos bares da cidade, não desperdiçou um minuto sequer, cantou durante todo o outono, dançou, aproveitou o sol, curtiu para valer sem se preocupar com o inverno que estava por chegar.

Então, passados alguns dias, começou a esfriar: era o inverno que estava começando.

A formiguinha, exausta, entrou em sua singela e aconchegante toca repleta de comida.

Mas alguém chamava por seu nome do lado de fora da toca e, quando abriu a porta para ver quem era, ficou surpresa com o que viu: sua amiga cigarra dentro de uma Ferrari com um maravilhoso casaco de Vison.

E a cigarra falou para a formiguinha:

- Olá amiga, vou passar o inverno em Paris, será que você poderia cuidar da minha toca?

E a formiguinha respondeu:

- Claro, sem problema! Mas o que lhe aconteceu para você estar nessa Ferrari e pronto ir voando para Paris?

Ao que a cigarra responde:

- Imagine você que eu estava cantando em um bar na semana passada e um produtor gostou da minha voz e fechei um contrato de seis meses para fazer shows em Paris... a propósito, a amiga deseja algo de lá?

Respondeu a formiguinha:

- Desejo sim! Se você encontrar por lá um tal de La Fontaine, mande ele ir catar coquinhos!!!

Moral da história:

Aproveite sua vida, saiba dosar trabalho e lazer, pois trabalho em demasia só traz benefício em fábulas.


CONTOS E LENDAS GREGAS

HÉRCULES (HÉRACLES)

O tipo de Hércules convém as duas definições de herói.

Alcmena, sozinha, pensa no marido, Anfitrião, que agora está numa guerra. Uma sombra cresce do lado de fora de casa. Assustada, imóvel, a jovem observa os movimentos de um homem que se aproxima. Duas mãos abrem a porta, Alcmena grita. Quando, porém, vê o rosto do recém-chegado, suspira aliviada. É Anfitrião que volta do combate.

Mas apesar do visitante ter a voz e o rosto do esposo não lhe parece com ele. Alcmena sufoca a desconfiança e entrega-se ao marido. Só muito mais tarde entenderia sua vaga suspeita. O visitante daquela noite não era Anfitrião, era Júpiter, que apaixonado pela mortal, tomara as feições do esposo ausente para poder introduzir-se em sua casa.

Foi no meio dessa mentira forjada pelo Senhor do Olímpo que Alcmena gerou Hércules.

Quando o verdadeiro marido chega, sabe da verdade pelo adivinho Tirésias e perdoa a esposa. Nesta noite é gerado Ificles, filho de Anfitrião, ao mesmo tempo que Hércules já está no ventre da mãe. Mal sabe ele que passará a vida toda fugindo do ódio de Juno.

Durante a adolescência mata por acidente seu professor de música, e como castigo vai para o campo para guardar rebanhos e completar sua educação. O herói cresce no campo, aprendendo várias artes, a lutar e a manejar o arco. Durante muito tempo sua vida segue tranquila, ficando cada vez mais forte e sábio.

Hércules mata o leão de Citerão com as mãos, este estava a comer os rebanhos dos pastores.

Hércules é acusado de roubar o gado do rei da Ecália, seu antigo mestre. Ele vai atrás da pitonisa do oráculo de Delfos, templo de Apolo, para que lhe diga a verdade, entretanto, ela recusa a atendê-lo e Juno lhe deixa louco, com isto Hércules destrói o templo e arrebata a pitonisa. Apolo não contendo a raiva por causa da destruição do seu templo, desce a terra e atraca-se com o mortal. Mas o grande Júpiter também se lança à terra e separa os dois.

Júpiter obriga Apolo a revelar o caminho da purificação pela destruição do templo, e este lhe diz que Hércules deverá vender-se como escravo durante três anos e o dinheiro irá para o rei da Ecália.

Passa três anos como escravo, foi comprado por Eristeu que o mandou fazer doze trabalhos que nenhum outro mortal poderia fazer, mas conseguiu sempre sair vitorioso, apesar da intervenção de Juno.

Quando Hércules morre é recebido no Olímpo, com o poderoso Júpiter à frente. O pai lhe entrega a imortalidade e a mão de sua filha Hebe, a ciumenta Juno esquece as desavenças e oferece-lhe um puro carinho maternal.

Tudo em Hércules é imenso: sua altura, sua força, sua ousadia em enfrentar o trabalho, sua generosidade e até mesmo seu amor, teve inúmeras mulheres que lhe deram muitos filhos.

OS MITOS DOS TITÂS

OS TITÂS

Os filhos de Urano e Géia, o Céu e a Terra, e alguns dos filhos dos doze. Frequentemente chamados de deuses mais velhos, eles foram por muitas eras os regentes supremos do universo, tendo um tamanho enorme e sendo incrivelmente fortes.

Cronos, o mais importante dos Titãs, governou o universo até que foi destronado por seu filho Zeus, que tomou o poder para si. Os outros importantes Titãs eram Oceano, o rio que fluiu ao redor da terra; Tétis, sua esposa; Mnemósina, deusa da memória; Têmis, deusa da justiça divina; Hiperíon, pai do sol, da lua e da alvorada; Japeto, pai de Prometeu, que criou os mortais; e Atlas, que carregava o mundo em seus ombros.

De todos os Titãs só Prometeu e Oceano uniram-se a Zeus contra Cronos. Como resultado, eles foram honrados e os outros foram banidos para o Tártaro.

A HISTÓRIA DOS TITÂS

Urano, o deus do céu, procurava à noite sua esposa, Géia.

Urano vinha todas as noites para o acasalamento. Mas, desde o princípio, odiou os filhos que Géia lhe dava. Logo que nasciam, escondia-os sistematicamete e não os deixava ver a luz. Escondia-os nas cavidades interiores da terra.

A gigantesca deusa Géia lamentava-se, aflitíssima, e sentia-se oprimida pelo fardo interior. Por essa razão, também inventou um estratagema perverso. Não tardou a produzir o ferro cor de cinza. Fabricou uma poderosa foice, de dentes afiados, e aconselhou-se com seus filhos. O número destes já era grande. Além de Oceano havia Ceos, Crio, Hiperíon, Japeto e, como o mais moço, Cronos. Esses seis irmãos tinham seis irmãs: Téia, Réia, Têmis, Mnemósina, Febe, a engrinaldada de ouro, e a doce Tétis.

Em sua angústia, disse Géia a todos os filhos, mas especialmente aos homens: "Ah, meus filhos - e filhos, também, de um pai nefando - não quereis ourvir-me e punir vosso pai por esse cruel malfeito? Ele foi o primeiro a engenhar um ato vergonhoso!"

Estavam todos com medo, e nenhum abriu a boca. Somente o grande Cronos, o pensador tortuoso, respondeu: "Mãe, dou-te minha promessa e agirei de acordo com ela. Pouco se me dá do nosso pai, de nome odiado. Ele foi o primeiro a engenhar um ato vergonhoso!"

Diante disso, Géia regozijou-se. Escondeu o filho no lugar indicado para a emboscada, pôs a foice na mão dele e contou-lhe toda a trama.

Quando Urano chegou, ao cair da noite e, inflamado de amor, cobriu a terra e deitou-se sobre ela, o filho estendeu a mão esquerda do sítio da emboscada e empolgou o pai. Com a direita pegou a imensa foice, cortou rapidamente a virilidade de Urano e atirou-a para trás de si. Géia recebeu no ventre o sangue derramado pelo marido, e deu à luz as Erínias - "as fortes" - e também os Gigantes e as Ninfas do Freixo, ou Ninfas Mélias, das quais surgiu uma raça dura de homens.

A virilidade do pai caiu no mar, e assim nasceu Afrodite. Depois disso, o céu nunca mais se aproximou da terra para o acasalamento noturno. A geração original chegou ao fim e a ela seguiu o reinado de Cronos.

O Grande Cronos devorava todos os filhos assim que deixavam o ventre sagrado da mãe, Réia, e caíam entre os joelhos dela. Ele era rei entre os filhos de Urano e não queria que nenhum outro deus lhe sucedesse na posse do trono.

Géia, sua mãe, e o Céu estrelado, seu pai, haviam profetizado que ele seria deposto por um filho poderoso. Daí que, continuamente alerta, engolisse os filhos. Para Réia isso era uma dor insuportável. Desse modo, quando se viu prestes a dar à luz Zeus, futuro pai dos deuses e dos homens, entrou a suplicar aos pais, à Terra e ao Céu estrelado, que lhe dissessem como poderia pôr o filho secretamente no mundo e vingar as crianças engolidas pelo grande Cronos, o pensador tortuoso.

Géia e Urano ouviram a prece da filha e revelaram-lhe o que fora decidido sobre o futuro do rei Cronos e de seu filho. Os pais mandaram Réia para Licto, na ilha de Creta, onde Géia se encarregou do recém-nascido.

Quando Réia levou a criança à Licto, na escuridão da noite, escondeu-a numa caverna na montanha coberta de bosques de Egém. Por outro lado, ofereceu ao filho de Urano, o primeiro rei dos deuses, uma grande pedra enrolada em cueiros. O deus terrível pegou a pedra e enfiou-a no estômago, sem compreender que o filho, invicto, e que não se preocupava com ele, estava apenas esperando o momento de derrubar o pai, tirar-lhe a autoridade e reinar no lugar dele.

Rapidamente cresceram os membros e a coragem deste novo soberano, até que, chegado o momento, aconteceu realmente que Cronos foi vencido pela força e astúcia traiçoeira de Zeus, e até devolveu de dentro de si os filhos engolidos.

Zeus libertou não somente os próprios irmãos senão também os de seu pai, que Urano ainda mantinha agrilhoados. Os mais importantes entre eles eram os Ciclopes que, por gratidão, deram a Zeus o trovão e o raio, emblemas e instrumentos do seu poder.

AS BATALHAS DOS DEUSES E DOS TITÂS

Houve um tempo em que a mitologia grega continha inúmeras histórias das guerras dos deuses, histórias essas que mais tarde foram esquecidas.

Zeus, que condenara ao cativeiro seu pai, Cronos, viu-se ele próprio ameaçado com o mesmo destino. Tétis, na qualidade de grande deusa do mar, foi buscar nas profundezas um dos três "centímanos": aquele a quem os deuses chamavam Briareu, mas a quem os homens chamavam Egéon. Comprazendo-se no seu glorioso ofício, o centímano assumiu a guarda do filho de Crono.

Os deuses abençoados ficaram com medo e não enfrentaram Zeus. De mais a mais, foi graças à ajuda de monstros benevolentes como Briareu que Zeus conseguiu, depois da vitória sobre Cronos, firmar seu poder sobre os turbulentos Filhos do Céu, mais parecidos com seu pai.

Durante dez anos os Titãs e os filhos de Réia e Cronos estiveram empenhados numa guerra acirrada. Os velhos deuses, os Titãs, travavam sua luta desde o cume do monte Ótris. Zeus e seus irmãos e irmãs desde o monte Olímpo.

Não havia possibilidade de um fim decisivo para a luta. Géia, então, revelou aos novos deuses o segredo da vitória. A conselho seu, eles foram buscar nas profundezas, na orla mais extrema da terra, os centímanos, Briareu, Coto e Gias. Fortaleceram-nos com néctar e ambrósia, a bebida e a comida dos deuses, e Zeus pediu-lhes que expressassem sua gratidão participando da guerra contra os Titãs.

Coto prometeu, em nome dos três, que assim o fariam.

Travou-se de novo a batalha. Deuses e deusas colocaram-se em ordem de combate uns contra os outros. Mas os novos aliados tinham trezentas mãos. Com as trezentas mãos pegaram trezentas pedras. E com o dilúvio de pedras sobrepujaram os Titãs e selaram-lhes a ruína.

Os vencidos foram acorrentados e atirados no Tártaro, tão profundo abaixo da terra quanto a terra abaixo do céu. Uma bigorna caída do céu cai durante nove noites e, na décima, chega à terra. Da mesma forma, ela cai durante nove noites e nove dias a partir da terra e, no décimo dia, chega ao Tártaro, cercado de um muro de ferro. Essa fortaleza é cerca trêz vezes pela Noite. Sobre ela cresceram as raízes da terra e do mar. Do seu interior, escondidos nas trevas, os Titãs nunca poderão escapar, pois foi Posídon quem colocou as portas de ferro em torno dela. Como fiéis guardiães, nomeados por Zeus, ali moram Gias, Coto e Briareu.

ATLAS

Filho do Titã Japeto e da ninfa Climene, e irmão de Prometeu. Atlas lutou com os Titãs na guerra contra as divindades do Monte Olímpo. Como castigo, ele foi condenado à suportar eternamente a terra e os céus em suas costas e o grande pilar que os separa sobre os ombros. Atlas era o pai das Hespérides, ninfas que vigiavam a árvore das maçãs douradas, e Héracles procurou sua ajuda para executar um de seus trabalhos. Héracles se ofereceu a sustentar o peso que Atlas detinha se este obtivesse as maçãs douradas para ele. Atlas concordou, contente, pois pensava em se livrar para sempre da carga que carregava. Depois que Atlas retornou com as maçãs, Héracles pediu-lhe que segurasse o peso por alguns instantes enquanto ajeitava uma espécie de almofada para aliviar a pressão em seus ombros. Atlas segurou o peso novamente, e Héracles partiu com as maçãs. Justamente porque a figura de Atlas sustenta a terra, frequentemente ela foi utilizada nas páginas de coleções de mapas (atlas), cujo nome denota um conjunto de mapas.

MÉTIS

A Titã Métis presidia a sabedoria e o conhecimento. Foi seduzida por Zeus e ficou grávida de Atena. Zeus ficou conhecendo através de uma profecia que seria destronado por seu segundo filho. Para evitar isto, ele engoliu Métis. Segundo a lenda, toda a sabedoria de Zeus vem de Métis e que ela ainda o aconselha do interior de seu ventre.

PROMETEU

Um dos Titãs, conhecido como amigo e benfeitor da humanidade, o filho do Titã Japeto com a ninfa do mar Climene, ou a Titã Têmis.

Prometeu e seu irmão Epimeteu foram concebidos para criar a humanidade e prover o homem e todos os animais da terra com as aquilo que necessitassem para sobreviver.

Epimeteu (cujo nome significa "a reflexão tardia") em conformidade, assim procedeu para outorgar aos vários animais da terra a coragem, a força, a ligeireza, penas, pele e outras proteções para o corpo. Quando chegou a hora de criar um ser superior a todas as outras criaturas vivas, Epimeteu achou que tinha sido tão descuidado com os recursos que recebera, que não tinha deixado mais nada para outorgar. Foi forçado a pedir a ajuda do irmão, e Prometeu (cujo nome significa "previdente") tomou para si a tarefa da nova criação. Para fazer um ser superior aos animais, ele modelou-os mais majestosos e deu-lhes a capacidade de andar sobre duas pernas.

Ele então subiu ao céu e acendeu uma tocha com o fogo do sol. O presente do fogo que Prometeu outorgou para a humanidade foi mais valioso que qualquer dos presentes que os animais tinham recebido. Por causa de seu ato, Prometeu provocou a ira de Zeus. Não apenas ele roubou o fogo para dar aos humanos, como também enganou os deuses.

Quando deuses e homens se encontraram em Mecone, no lugar denominado "Campo das Papoulas", onde deveriam ser separados uns dos outros, Prometeu repartiu um touro portentoso. Colocou-o, com mostras de amizade, defronte da assembléia, procurando burlar a visão interior de Zeus.

Para si mesmo e para o seu povo, encheu o estômago do animal com carne fatiada e miúdos gordos. Para Zeus, envolveu lindamente os ossos de gordura reluzente, de maneira que não se podia perceber o conteúdo de nenhuma porção.

Prometeu pediu a Zeus que escolhesse a sua porção e este optou pela parte cheia de óleo.
Enfurecido, Zeus descobriu que havia escolhido apenas os ossos para o sacrifício aos deuses, ficando a boa carne para os mortais.

Pelas transgressões de Prometeu, Zeus acorrentou-o numa pedra, no Cáucaso, onde era constantemente vitimado por uma águia que lhe devorava o fígado durante o dia, enquanto o órgão se regenerava durante a noite. Finalmente foi libertado por Héracles, que matou a águia.

RÉIA

Mãe dos deuses, um dos Titãs, filha de Urano e Géia, o Céu e a Terra, e a irmã e esposa do Titã Cronos. Por muitas eras, Cronos e Réia dominaram o Universo.

Cronos, tendo sido advertido de que um de seus filhos estava destinado a tomar-lhe o trono, tentou evitar este destino engolindo sua prole logo que cada uma das crianças era concebida. Depois do nascimento de seu sexto filho, o deus Zeus, Réia enganou seu marido dando-lhe uma pedra embrulhada em cueiros, a qual ele engoliu pensando ser seu bebê. Neste meio tempo, ela havia escondido a criança em Creta. Mais tarde, quando Zeus se tornou adulto, forçou seu pai a vomitar a pedra, junto com as cinco outras crianças que haviam nascido de Réia: Posêidon, deus do mar; Hades, deus dos mortos; Deméter, deusa da agricultura; Héstia, deusa da lareira e do fogo sagrado; e Hera, deusa do casamento, que tornou-se a esposa de Zeus.

Na mitologia Romana, Réia foi identificada com Cibele, a grande mãe dos deuses.

O MEDO DO TEMPO

Após o dilúvio, a terra ficou recoberta de lodo e da fertilidade resultante surgiu uma imensa variedade de coisas, algumas boas e outras más. Entre elas surgiu Píton, uma serpente enorme que se refugiou nas cavernas do Monte Parnasso.

O povo estava aterrorizado, e Apolo, vendo o que acontecia, pegou suas armas e resolveu enfrentar o monstro. Até este momento o deus havia matado apenas fracos animais, como lebres, cabras e outros semelhantes.

Ele aproximou-se da caverna da serpente e esperou-a sair, abatendo-a com as suas flechas. O potente senhor do arco certeiro, deus da vida, da luz e da poesia, o Sol, em forma humana apresentado, radioso com o triunfo no combate. Partiu agora mesmo a seta ultriz. Nos olhos, nas narinas, se desenham o desdém, a altivez própria de um deus. Foi uma grande vitória e o povo estava novamente aliviado.
Para comemorar o feito, Apolo instituiu os Jogos Píticos, nos quais os vencedores nas provas de força, rapidez na corrida ou nas disputas de carro eram coroados com uma grinalda de faia, pois o loureiro não havia ainda sido escolhido pelo deus como sua planta predileta.

Apolo estava envaidecido com o seu recente triunfo, e quando viu Cupido brincando com seu poderoso arco e suas flechas, repreendeu-o: "Que queres tu, menino, com armas mortíferas? Deixe-as para mãos de quem delas seja digno. Viste a grande vitória que alcancei contra a enorme serpente, cujo corpo venenoso cobria grande extensão da planície. Contenta-te com tua tocha, criança, e atiça tua chama, mas não se atreva a intrometer-se com minhas armas novamente."

O filho de Afrodite, ouvindo as palavras do deus, retrucou: "Tuas setas podem ferir todas as outras coisas, e isso concordo. Mas não esqueça que as minhas também podem ferir-te." Subiu ao alto de uma rocha do Parnasso e sacou de uma das suas flechas. Mirou no coração de Apolo e desferiu a seta. Neste mesmo instante, o deus foi tomado de amores pela ninfa Dafne, filha do deus-rio Peneu, que costumava passear nos bosques.

Dafne era uma donzela linda, e muitos amantes a buscavam, mas ela recusava a todos, apesar dos pedidos de seu pai: "Filha, é tempo que encontres um esposo e que me dês netos." Mas a simples ideia de casar-se causava horror na jovem.

Um dia estava Apolo passando pelos bosques quando viu Dafne. O deus estava encantado diante de tanta graça, e admirou seus cabelos, seus lábios, seus olhos e todo o seu corpo. Apolo resolveu então tê-la à força e começou a seguir a ninfa. Porém Dafne, ao sentir a aproximação do deus, pôs-se a correr como o vento, e nem mesmo o deus conseguia alcança-la.

"Pare, linda donzela, não quero fazer-te mal. Quero apenas poder amar-te. Por que foges? Sou um deus e meu pai é o próprio Zeus. Sou senhor de Delfos e Tenedos e conheço todas as coisas, presentes e futuras..."

A ninfa estava surda às súplicas do deus e continuou em sua fuga. Seus cabelos estavam esvoaçantes e o vento agitava suas vestes. Apolo sentia-se mais encantado com Dafne, e passou a correr ainda mais rápido.

A donzela sentia que o deus se aproximara muito e que dificilmente conseguiria escapar. As forças da jovem começavam a faltar e desesperada rogou ao seu pai, o rio Peneu, que a ajudasse: "Salva-me, meu Pai. O deus está me alcançando e não tenho mais forças para fugir!"

O deus-rio estava triste, mas havia prometido ajudar a filha a não se casar, e resolveu intervir. Assim, um torpor invadiu os membros da linda ninfa, e toda a sua pele começou a transformar-se numa leve casca, e ela não mais conseguia correr. Seus cabelos se tornaram verdes folhas, seus braços mudaram-se em galhos e os pé cravaram-se no solo, como raízes.

Apolo vendo a transformação, e sentindo-se impotente, abraçou-se aos ramos da árvore e beijou ardentemente sua madeira.

"Já que não podes ser minha esposa, serás minha planta favorita. Usarei tuas folhas como coroa; com elas enfeitarei minha lira e minha aljava. E, tão eternamente jovem quanto eu próprio, também hás de ser sempre verde e tuas folhas não envelhecerão."

O que cantou, porém, com tal paixão, não foi cantado nem sentido em vão. Se foi surda a amada ao canto seu, o canto aos outros homens comoveu. Assim Febo, deixando a ilusória Paixão, no louro pôs a eterna glória.

A BENÇÃO DOS DEUSES

A Deusa-Mãe deu aos homens vida. Isso os deixava demasiadamente intrigados. Eles olhavam-se curiosos e admirados, e então partiam para buscar por comida.

Lentamente descobriram que a fome poderia ter muitas formas.

Certa manhã os homens seguiram um filhote de urso extraordinariamente gordo até uma colina coberta de arbustos que balançavam pesadamente com frutos vermelhos. Eles começaram a banquetear imediatamente, pouco atentos aos tremores que iniciavam sobre seus pés.

Devido ao estremecimento, uma fenda abriu-se no topo do morro, e dela emergiu Pandora, com suas serpentes terrenas. Os mortais estavam paralisados de medo, mas a deusa arrastou-os para sua aura. "Eu sou Pandora, a Doadora de todos os Presentes."

Ela retirou a tampa de seu grande jarro. Dele tirou uma romã, que tornou-se uma maçã, que tornou-se um limão, que tornou-se uma pera.

"Eu trago árvores cheias de flores que dão muitos frutos, árvores retorcidas com olivas penduradas e essa videira que irá sustentar vocês." A deusa pegou no jarro uma porção de sementes as quais espalhou pela colina."

"Eu trago a vocês plantas para matar a fome e para curar a doença, para tecelagem e tinturaria. Sob a minha superfície vocês encontrarão minerais e argilas de inúmeras formas." Ela pegou do jarro duas pedras achatadas.

"Atentem ao meu presente: Eu trago pederneiras." Então Pandora virou seu jarro de lado, inundando por toda a colina a sua graça. Os mortais banhavam-se nas cores de sua aura.

"Eu trago maravilhas, curiosidade e memória. Eu trago sabedoria. Eu trago justiça com misericórdia. Eu trago laços de cuidado e de comunhão. Eu trago coragem, força e persistência. Eu trago amabilidade para todos os seres. Eu trago as sementes da paz."


VÁRIAS MANEIRAS DE AMARRAR CARDAÇOS - PARTE 2 DE 4









TOLERÂNCIA ZERO

Garçom (para o casal que senta a mesa) - E pra dois?
Homem - Não, eu vou comer e ela só vai ficar assistindo.

Mulher (ao marido chegando em casa todo molhado) - Está chovendo?
Marido - Não, é que todo mundo na rua resolveu cuspir em mim.

Amigo 1 (encontrando outro na rua) - Cortou o cabelo?
Amigo 2 - Não, caiu.

Reporter de TV (para senhora subindo escadaria da igreja de joelhos) - A senhora esta pagando promessa?
Senhora - Não, é que eu sou muito alta, então eu ando assim pra não chamar a atenção.

Dona de casa (abrindo a porta para o convidado) - Oi, você veio?
Convidado - Não, não sou eu, é outro.

Namorada (recebendo flores) - São flores?
Namorado - Não, são cenouras.

Banhista fora d'agua - Aí onde você esta da pé?
Banhista dentro d'agua - Só lá no fundo.

Passageiro 1 (a bordo do avião) - Está indo pra Goiás?
Passageiro 2 - Não, eu peguei o avião errado.

Namorada (na porta do cinema, encontrando namorado com capacete na mão) - Veio de moto?
Namorado - Não, eu vim com isso na cabeça pra não despentear o cabelo.

Chefe (no escritório) - Voltou de férias?
Empregado - Não, tô lá ainda.

Ascensorista (no térreo, para hospede que chega) - Sobe?
Hospede - Não, eu quero só ficar dentro do elevador parado.

Apostador (no prado) - A senhora gosta de corrida de cavalos?
Apostadora - Não, eu venho aqui pra sofrer.

Médico - Dói?
Paciente - Não, eu estou gritando só pra assustar a enfermeira.

Senhora (ao ver um senhor acendendo um charuto) - O senhor fuma charuto?
Senhor - Não, senhora, é que eu estou treinando para pai-de-santo.

GO HOME BALL 2






Go Home Ball 2 é um jogo dinâmico onde você vai ter que conduzir a bola vermelha até seu destino. No caminho existem vários precipícios, você terá três opções para escolher: tronco, mola, ou a mão. Coloque o objeto escolhido no caminho para que a bola não caia. Seja bem ágil, a bola rola muito rápido e pode não dar tempo.


JOSÉ DA SILVA

José da Silva está com muita dor no braço direito e resolve ir ao médico. Chegando lá o Doutor diz:

- Tenho um novo e avançadíssimo computador aqui, basta você urinar neste potinho que eu coloco no computador e ele nos dirá o que você tem.

- Ah, ah, ah, não acredito nisto, doutor, sou um Analista de Sistemas e nunca ouvi tamanha asneira! Mas vamos lá.

José urina no potinho e o entrega ao Doutor. O médico coloca-o no computador, aperta um botão aqui... outro ali e a máquina começa a processar. Passados uns 30 segundos, sai um papel impresso de dentro da máquina, e então o Doutor lê em voz alta:

José da Silva
34 anos
Branco
Analista de Sistemas
Artrite no braço direito

José exclama:

- O quê??? Como essa máquina fez isso?! Eu não acredito!!! Doutor, eu quero fazer o exame novamente. Vou levar o pote para casa e farei xixi nele de manhã em jejum, e trarei para o senhor novamente.

José vai então para casa. No dia seguinte, em jejum, faz xixi no pote e o leva ao médico, que o coloca no computador para processar. Sai novamente um papel impresso de dentro da máquina com o seguinte:

José da Silva
34 anos
Branco
Analista de Sistemas
Artrite no braço direito

- Doutor, realmente eu não acredito nisto aqui, tem alguma coisa! Vou fazer novamente este exame, me dá outro pote!

Vai para casa com outro pote, e faz xixi dentro dele, pede à mulher e à filha para fazerem também, coloca um pouco de óleo do carro dele dentro do pote e ainda por cima se masturba e coloca o resultado no pote, mistura tudo e leva ao médico.

José pensa: "Hehehe... agora quero ver esse computador".

O Doutor coloca novamente na máquina, e novamente sai um papel:

José da Silva
34 anos
Branco
Analista de Sistemas
Corno
Filha grávida de 3 meses
O carro precisa trocar o óleo
E a próxima vez que for se masturbar faça com a mão esquerda, pois O BRAÇO DIREITO ESTÁ COM ARTRITE!

CEILING CAT PAPERCRAFT




VOCÊ SABE QUAL É O CUMULO DO(A)...

Aventura: Fazer sexo oral com uma canibal.
Basquete: Jogar a bola na cesta e ela cair no sábado.
Burrice: Ser reprovado no exame de fezes.
Ciúmes 1: Brigar com a mulher porque só um dos gêmeos se parece com o pai.
Ciúmes 2: Brigar com a mulher porque ela abriu as pernas na hora do parto.
Coincidência: No cinema, tirar meleca do nariz, fazer uma bolinha e, ao gruda-la debaixo do assento, encontrar outra.
Confiança: Jogar palitinho pelo telefone.
Distração: Na lua de mel, levantar da cama, deixar 10o reais na mesinha de cabeceira e ir embora.
Economia 1: Tirar cera do ouvido e passar no chão.
Economia 2: Usar o papel higiênico dos dois lados.
Educação: O viado sendo enrabado de quatro na cama, falar para o seu amante: "Desculpe-me por lhe dar as costas".
Engano
: Uma minhoca entrar numa macarronada pensando que é uma suruba.
Esperança: Travesti tomar groselha na esperança de ficar menstruado.
Força: Dobrar uma esquina.
Frigidez: No depois, você perguntar para a sua amante: "Você gostou?" e ela responder: "De quê?".
Ignorância: Abrir a caneta pra procurar as letrinhas.
Inocência: A menininha de 12 anos espremer os peitinhos achando que é espinha.
Inteligência: Comer sopa de letrinhas e cagar em ordem alfabética.
Lerdeza: Assistir corrida de lesma em câmera lenta.
Moleza: Correr sozinho e chegar em segundo.
Nulidade: Ser reserva de gandula.
Paciência 1: Limpar o cu do elefante com confetes.
Paciência 2: Vomitar de canudinho.
Preguiça: Casar com uma mulher gravida de outro.
Racismo: Tomar Black&White em copos separados.
Rapidez 1: Fechar a gaveta e jogar a chave dentro.
Rapidez 2: Ir ao enterro de um parente e ainda encontrá-lo vivo.
Rebeldia: Morar sozinho e fugir de casa.
Respeito: Transar com a viúva usando camisinha preta.
Sorte: Ser atropelado por uma ambulância.
Vaidade: Engolir um batom para passar na boca do estomago.
Vegetarianismo: Levar a Cindy Crawford para o mato e comer o mato.
Velocidade: Dar a volta na mesa e pegar você mesmo.

UMA CIDADE FEITA COM MUITA IMAGINAÇÃO


DICAS DE LIVROS

Desfrutem, mas com moderação... esses livros são disponabilizados gratuitamente, mas só para lerem e não para imprirmirem, publicarem ou editá-lo sem permissão. Fica o aviso e... eu não me resposabilizo por nada. Yo!

FÁBULAS - COMPLETO






CAMINHONEIRO

Esta é a historia de um caminhoneiro que viajava por todo Brasil e seu lema era: MEU NOME É ROGERÃO, SOU DO MARANHÃO, GOSTOSÃO, ENTROU NA MINHA BOLÉIA NÃO TEM PERDÃO. E craaaauuuu na mulherada.

Já estava dois meses dirigindo pelas estradas em jejum, não conseguia pegar nenhuma mulher. Eis que de repente, ele ve a sua frente uma freira, novinha, bonitinha, pedindo carona. Ele pensa:

- Que Deus me perdoe!

Parou o caminhão e a freira subiu.

- Bom dia, meu filho! Você poderia me levar a cidade mais próxima?
- Bom dia, dona freira! Claro, mas tem um pequeno problema: MEU NOME É ROGERÃO, SOU DO MARANHÃO, GOSTOSÃO, ENTROU NA MINHA BOLÉIA NÂO TEM PERDÃO.
- Calma, meu filho! Aqui na frente esta reservado para Deus, porém atrás está livre.

Não deu outra. Rogério mandou ver na freirinha.

Dirigindo pela estrada, Rogério ficou pensando na besteira que tinha feito, quando ela disse:

- Meu filho, pode parar que eu vou descer aqui nesta fazenda.

Rogério respondeu:

- Dona freira, desculpe pelo que fiz com a senhora, que Deus me perdoe, mas a senhora sabe como é ficar solitário muito tempo...

Respondeu a freira:

- Não tem problema, Deus vai te perdoar, porque MEU NOME É JUVENAL, SOU DE NATAL, HOMOSSEXUAL, E ESTA É A MINHA FANTASIA DE CARNAVAL.


VOCÊS ACHAM QUE É FÁCIL SER HOMEM?

Estamos reinvidicando a criação do Dia Internacional do Homem.

01) Quem é obrigado a erguer os pés quando ela está fazendo faxina?
R: O prestativo homem!

02) Quem se veste como pinguim no dia do matrimônio?
R: O humilde homem!

03) Quem é que, apesar do cansaço e do estresse, jamais poderá fingir um orgasmo?
R: O sincero homem!

04) Quem é obrigado a sustentar a amante esbanjadora?
R: O abnegado homem!

05) Quem se expõe ao estresse por chegar em casa e não encontrar a comida quentinha, as crianças com o banho tomado, a roupa lavada, a cozinha limpa e o drink já posto sobre a mesa?
R: O doce homem!

06) Quem corre o risco de ser assaltado e morto na saída da boate, cada vez que participa dessas reuniões noturnas com os amigos, enquanto a mulher está bem segura em casa na sua caminha?
R: O desprotegido homem!

07) Quem é o encarregado de matar as baratas da casa?
R: O valente homem!

08) Quem segura a "cauda do rojão" quando chega em casa com marca de batom na camisa e é obrigado a dar explicações que nunca são aceitas?
R: O incompreendido homem!

09) Quem é que toma banho e se veste em menos de vinte minutos?
R: O ágil homem!

10) Quem é que tem de gastar consideráveis somas em dinheiro comprando presentes para o dia das mães, da esposa, da secretária e outras festas inventadas pelo homem para satisfazer à mulher?
R: O dadivoso homem!

11) Quem jamais conta uma mentira?
R: O ético homem!

12) Quem é obrigado a ver a mulher com os rolinhos nos cabelos e a cara cheia de cremes?
R: O compreensivo homem!

13) Quem tem que aguentar uma TPM calado todo mês?
R: O calmo homem!

14) Quem está lendo isso escondido do chefe e correndo o risco de perder o emprego?
R: O indefeso homem!

SANTO HOMEM!!!

COMO EXPLICAR O QUE É MASTURBAÇÃO PARA O SEU FILHO


Sim, tem coisas realmente um tanto “constrangedoras” na vida, mas que você não escapa, como uma explicação dessas.

RAPIDINHAS

- Você é capaz de guardar um segredo?
- Claro! Afinal, amigos são para essas coisas...
- Preciso de 1000 reais!
- Pode ficar tranquilo! Vou fazer de conta que nem ouvi!!!

___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

A mulher flagra o marido na cama com a doméstica:

- Com a empregada! Que coisa mais feia!
- Sim, querida. Feia e gostosa!

___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

Pai e filho estavam conferindo o resultado da loteria milionária.

O filho:

- Acertei... acertei todos os números, estou rico!

E o pai, todo feliz:

- o que você vai fazer com todo este dinheiro?

E o filho:

- Quem é você?

___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

O sujeito entra numa loja onde há um cartaz: "CUIDADO COM O CÃO". Dentro ele vê um cachorrinho mínimo com uma cara de manso, deitado no chão ao lado do caixa.

- Hei - exclama o sujeito - É este o cachorro com o qual eu tenho que tomar cuidado?
- É esse mesmo - responde o caixa.
- Mas ele não parece nem um pouco perigoso. Por que o senhor pôs este cartaz?

O caixa explica:

- Porque antes todo mundo pisava nele.

___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

Um comerciante dizia para o empregado:

- Oh, José toma conta do armazém um pouco que eu vou sair pra procurar um lugar onde possa colocar um anúncio de nossa firma.

E lá foi o homem. Rodou a cidade toda e voltou desiludido pro armazém.

- Não achou nada, seu Antônio? - pergunta o empregado.
- Achei nada, - disse ele - todos os lugares já estão ocupados por uma firma só.
- Qual é a firma? - pergunta curioso o empregado.
- É uma tal de Anuncie Aqui!

___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

Três amigos saem de noite e, depois de muitas rodadas de bebida, um deles sugere que cada um conte algo que nunca contou para ninguém.

- Tudo bem, – diz o primeiro - eu nunca contei pra ninguém que sou homossexual.

O segundo confessa:

- Eu estou tendo um caso quentíssimo com a mulher do meu chefe.
- Bem, – começa o terceiro - eu não sei como dizer isso...
- Ah, não fique sem jeito – encorajam os amigos.
- Bem... eu não consigo guardar segredo.

___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

Um homem segue por uma estrada, quando vê passar uma placa onde está escrito: "Reduza a 80km". Imediatamente ele reduz. Mais adiante: "Reduza a 50km". Novamente ele reduz. Logo depois: "Reduza a 20km". Então ele pensa:

- Deve ter acontecido algum acidente...

Uma hora depois... mais uma placa surge: "Reduza a 10km". O viajante se assusta, achando que realmente o acidente deve ter sido gravíssimo.

- Reduzir tanto assim!

Já pronto para ver o pior, uma nova placa aparece então: "SEJA BEM VINDO A REDUZA!"

___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

O rapaz ciumento interroga a namorada que acaba de sair do médico:

- Ele perguntou o que você está sentindo?
- Perguntou.
- Ele falou de sua boca?
- Claro.
- Ele falou de seus seios?
- Claro que falou.
- Falou das pernas?
- Falou.
- E do bundão?
- Ah, de você ele nem lembrou.


GLOSSÁRIO: INGLÊS/PORTUGUÊS

Layout - Fora da lei
Go Home - Vai a Roma
So Free - Sofri, padeci
Know How - Saber latir
Feel Good - Bom frio
Merry Christmas - Maria Cristina
Welcome - Bom apetite
Are you sick - Você tem C.I.C.
She's cute - ela escuta
Happy New Year - Feliz Ouvido Novo
One Ice-cream - Um crime cometido com frieza
I'm alone - Estou na lona
Born to loose - Nascido em Toulose
Big Ben - Benzão
Fourteen - Pessoa baixa e forte
I's Ten O'Clock - Tu tens relógio
She's wonderful - Queijo maravilhoso
To sir with love - Tossir com amor
It's too late - É muito leite
Corn Flakes - Cornos frescos
Halloween - Quando a ligação não está boa
Telling The Truth - talão da T.R.U.
Free Shop - Chope de graça
I'm Hungry - Sou húngaro
To be champion - Ser bi-campeão
I'm sad - estou com sede
A hot day - Arrotei
With noise - conosco
A fair lady - feirante
I go tomorrow - O gato morreu
Stock car - estocar
The boy is behind the door - O boi está berrando de dor
She must to go - Ela mastigou




ÁRVORE DOS AMIGOS

Há pessoas que cruzam o nosso caminho, as que percorrem do nosso lado e as que vemos entre um passo e outro. A todas chamamos de amigos.

São muitos, como as folhas de uma árvore.

Os primeiros são o amigo-pai e o amigo-mãe, que nos mostram o que é ter vida.

Depois vem o amigo-irmão, com quem dividimos o nosso espaço.

Há os amigos do peito. São verdadeiros, sabem o que nos faz feliz. Às vezes, um deles estala o nosso coração e então o chamamos de amigo-namorado, que dá brilho aos nosso olhos, música aos nossos lábios, pulos aos nossos pés.

Há os que são amigos por um tempo, talvez um dia ou uma hora. Eles colocam sorrisos na nossa face enquanto estão por perto.

Há os que estão longe, que ficam nas pontas dos galhos, e aparecem quando o vento sopra. O tempo passa, o outono chega e perdemos algumas das nossas folhas. Mas elas continuam alimentando as raízes com lembranças de momentos maravilhosos.

Desejo a você, folha da minha árvore, paz, amor, saúde, sucesso, prosperidade.

Cada pessoa que passa em nossa vida é única, deixa um pouco de si e leva um pouco de nós. Esta é a maior prova de que duas almas não se encontram por acaso.



Postado por Jonny Boy

9 milhões de comentários:

Jonny Boy disse...

Você está em uma casa de 2 quartos. Um desses quartos possui 3 interruptores e o outro uma lâmpada. Você está no quarto com os interruptores. Um desses interruptores acende a lâmpada do outro quarto. Indo ao outro quarto apenas uma vez (sem poder voltar), como descobrir qual dos 3 interruptores acende a lâmpada do mesmo?

15 de janeiro de 2011 15:53  
Jonny Boy disse...

Acenda o primeiro interruptor e espere 5 minutos. Desligue esse mesmo interruptor e ligue o segundo. Abra a porta e vá até o outro quarto. Se a lâmpada estiver acesa, não há dúvidas: é o segundo interruptor que a faz acender. Se não, toque a lâmpada. Se estiver quente, é o primeiro interruptor, pois ele ficou ligado durante 5 minutos. Se não, é o terceiro mesmo. Yo!

15 de janeiro de 2011 15:54  
Rodrigo disse...

Resposta
deus 1, deus da diplomacia
deu 2, deus da falsidade
deus 3, deus da verdade

Se o deus da verdade so diz a verdade entaum o deus 1 naum eh o deus da verdade pois ele diz q o deus da verdade esta ao seu lado, seguindo esse raciocinio o deus 2 tb naum eh o deus a verdade pq ele diz ser o deus da diplomacia, portanto o deus 3 eh o deus da verdade, como ele o diz a verdade e diz q o deus 2 eh o deus da falsidade entaum eh, e sobra pro deus 1 ser o deus da diplomacia.
Matei facil, naum tem pra vc guilhermao.

15 de janeiro de 2011 18:03  
Aili disse...

amei a parte mitologica...adorooo

16 de janeiro de 2011 02:23  
Luh Rune disse...

Legal o post, vou bem usar alguns daqueles métodos de passar o cadarço no tênis deve ficar bem legal! ^^

17 de janeiro de 2011 09:31  
the gammer disse...

kra, muito massa o post! a começar pela mitologia que eu adoro( alem do God of War ne? hehehe), depois akela tirinha kkkkk...a vida de um blogueiro ralmente eh assim... eu tava cheio de ideia pro meu blog, e derepente some tudo.... mas o que mais me chamou a atenção foi akele video do Batelco-Infinity, muito legal kra, extremamente bm feito!

abraçaum e continue assim!

17 de janeiro de 2011 11:22  
Rodrigo disse...

Bom, ja respondi as charadas agora vamos ao coment =p
O q tem de mais legal nesse post sem sombra de duvidas eh o video da Batelco-INFINITY, cara eh maravilhoso, fantastico, inspirador...faltam adjetivos, eh um dos videos mais legais q eu jah vi, e olha q jah vi mtos videos =D
Os cumulos tb saum legais.
E realmente naum eh facil ser homem, de fato merecemos um dia =]
Abraço

18 de janeiro de 2011 16:35  
Afonso disse...

Oi Marcus. Cê tá perdendo grana...rs...Aqui me divirto mais dio que vendo a bobajada televisiva. Abs.

19 de janeiro de 2011 07:38  
Jonny Boy disse...

Isso aí, Rodrigo. Parabéns. Yo!

21 de janeiro de 2011 04:53  
Visit the Site